Menu

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Pelas locações do filme A Lista de Schindler, na Polônia

Se você planeja visitar Cracóvia e Aushwitz, na Polônia, aconselho fortemente que assista (se já não tiver assistido) a um dos melhores filmes que já vi: a Lista de Schindler. Percorrer o antigo bairro e o gueto judeu em Cracóvia e explorar os horrores dos campos de concentração te levam imediatamente para um dos períodos mais sombrios e tristes da nossa história e, para quem tem o filme do mestre Spielberg na mente, fica bem mais fácil reconhecer os detalhes do passado que a Polônia jamais esquecerá.

As filmagens foram iniciadas em 1 de março de 1993, em Cracóvia, após uma longo período de reflexão por parte de Steven Spielberg que relutava em assumir a direção. Após a negativa de Roman Polanski, sobrevivente do gueto judeu e cuja mãe foi morta em Auschwitz, e de outros diretores, como Scorsese, Spielberg, após finalizar as gravações de Jurassic Park, aceitou, então, o desafio e viajou para a Polônia. Recusou o cachê referente às filmagens, se emocionou em diversas cenas e entregou para o mundo um filme que deveria ser assistido por toda a humanidade.


Filmado todo em preto e branco, sugando assim qualquer colorido que, obviamente, não existiu para os judeus aprisionados e mortos durante o Holocausto, o filme tem um tom quase documental, servindo de relato não apenas para a vida de Oskar Schindler e seu papel ao salvar mais de mil judeus, como também para enfocar os horrores do Holocausto e homenagear as suas milhares de vítimas.

Embora boa parte do filme se passe no gueto judeu e o local possa ser visitado até hoje, Spielberg preferiu filmar as cenas referentes ao local no Kazimierz, antigo bairro onde viviam os judeus antes de serem expulsos para o gueto. Sabendo disso, resolvi percorrer um pouco o bairro em busca de algum local que eu reconhecesse como locação do filme. E já estava desistindo quando vi um turista fotografando um local aleatório. Dirigi-me até lá e, de imediato, reconheci o lugar (foto abaixo). Para os fãs do filme que quiserem visitar um dos locais de filmagem, ele encontra-se na rua Jozefa, número 12.

Cena do filme A Lista de Schindler


Locação do filme no bairro de Kazimierz

Passeando pelo gueto é possível encontrar um dos principais locais expostos pelo filme: a própria Fábrica de Schindler, onde o mesmo empregou e, assim, salvou, os judeus retratados na película. A fábrica transformou-se, hoje, em um museu que conta a história da invasão nazista na Polônia. Logo no saguão de entrada, várias fotos do filme de 1993 são expostas nas paredes. E, durante a visita, é possível visitar o próprio escritório de Oskar Schindler.

Cena do filme A Lista de Schindler, mostrando a famosa fábrica


Nas janelas da fachada da fábrica, atualmente, encontram-se as fotos dos judeus salvos por Schindler
Escritório de Oskar Schindler

Grande parte do filme se passa em um campo de concentração, pertencente ao complexo de Aushcwitz, e cujas cenas trás toda a crueldade nazista representada pela brilhante interpretação de Ralph Fiennes. E, embora os campos estejam lá para serem visitados, uma réplica foi construída pela produção do filme para albergar as filmagens. Li duas versões para justificar a necessidade de uma réplica: uma dizia que as filmagens no local foram proibidas, enquanto outra afirmava que o próprio Spielberg se recusou a filmar no local em respeito aos mortos. Não sei qual seria a verdadeira versão.

Cena do filme A Lista de Schindler mostrando um campo de concentração


Antigo campo de concentração Birkenau (ou Aushwitz II)


Logo na frente de Auschwitz, é possível ver uma placa que agradece ao diretor do filme pelas doações fornecidas para manter o local. Não sei se a fonte do dinheiro foram os milhões que o filme ganhou ao redor do mundo, mas acredito que sim.

E embora o filme seja uma grande homenagem a todos aqueles que morreram e sofreram no Holocausto e que lutaram pelo seu fim, as filmagens enfrentaram um pouco de repúdio por parte de alguns poloneses que, acreditem, negam essa trágica história, enaltecem os alemães nazistas e afirmam que se eles mataram alguém é porque a vítima mereceu. Mas nada que tenha, realmente, atrapalhado a maior intenção de Spielberg com o filme: trazer para as novas gerações um retrato do que a intolerância pode fazer para, assim, dificultar o renascimento de qualquer atrocidade semelhante.

Não à toa, o filme ganhou 7 oscars, incluindo os de melhor filme, diretor e, claro, trilha sonora, que deu ao gênio Jonh Williams mais um merecido reconhecimento por seu trabalho melódico magistral em A Lista de Schindler.

E como um efeito colateral positivo, o filme trouxe maior notoriedade para a cidade de Cracóvia. A cidade acabou se tornando um destino turístico mais visitado e o Kazimierz, até as filmagens, quase completamente abandonado, ressurgiu das cinzas, tornando-se, aos poucos, o centro da vida cultural da cidade e servindo, atualmente, de palco para um festival hebráico que ocorre anualmente e que atrai inúmeros judeus da Europa.

Portanto, se quiser incrementar ainda mais sua experiência por Cracóvia, assista ao filme. Ou se for um grande fã de Spielberg e do filme, visite Cracóvia. Independente do motivo, será uma experiência única. Triste... mas única...

Para mais informações sobre o passeio pelo bairro e gueto judeu, pelo museu localizado na fábrica e por Auschwitz, clique aqui, aqui e aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário