Menu

domingo, 19 de agosto de 2018

Como é dirigir pela Patagônia

Enquanto montava o nosso roteiro pela Patagônia, logo percebi que alugar um carro facilitaria muito nosso trajeto entre as cidades que visitaríamos, além de nos dar liberdade e flexibilidade com nosso tempo, sem depender de horários fixos de ônibus ou de tours guiados. E, como iríamos viajar com uma amiga, ficaria mais barato o aluguel e o combustível do que se viajássemos apenas nós dois.

E, assim, decidimos por alugar carro em Punta Arenas, no Chile, e de lá, seguir para Puerto Natales e Torres del Paine, atravessando, então, a fronteira com a Argentina para seguir até El Calafate. Ao final, voltaríamos dirigindo a Punta Arenas, onde devolveríamos o carro. E foi exatamente assim que fizemos, dando tudo certo ao final.

Dirigindo pela Patagônia Argentina, já próximo de chegar a El Calafate


E valeu à pena? Com certeza, valeu! Primeiro porque a flexibilidade que tivemos com o carro, nos permitiu otimizar nosso roteiro de tal forma que conseguimos conhecer tudo que havíamos planejado. Segundo porque percorrer o Parque Nacional Torres del Paine de carro próprio nos permitiu aproveitar as belas paisagens do lugar no nosso ritmo, parando e fazendo o que queríamos.

Dirigindo por Torres del Paine

sábado, 18 de agosto de 2018

Nosso roteiro pela Patagônia

Quem aí também quer fazer como nós e conhecer a Patagônia? Área geográfica correspondente à parte mais meridional (ou mais próximo da Antártida) da América do Sul, a Patagônia evoca a imagem de montes nevados, glaciares e lagos que, em conjunto, resultam em paisagens de tirar o fôlego.

Torres del paine, no Chile, e uma das muitas vistas espetaculares da Patagônia

E a área inclui dois importantes países do continente sul-americano, Chile e Argentina, de forma que é comum o roteiro pela região transitar entre os dois países. Não pense, no entanto, que é possível conhecer toda a Patagônia em apenas uma única viagem (se bem que até é se você tiver muito tempo disponível!). Até porque a sua parte norte, que tem Bariloche (na Argentina), e a Região de los Lagos (no Chile) como principais atrações, fica bem distante da sua parte sul, destacando-se Ushuaia nos país argentino e Torres del Paine no chileno.

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

O que fazer em Santa Cruz de la Sierra

Fazendo uma analogia, Santa Cruz de la Sierra estaria para a Bolívia, assim como São Paulo está para o Brasil, uma vez que ela pode ser citada como a cidade mais cosmopolita do país boliviano. De qualquer modo, do ponto de vista turístico, nem sei se esta comparação é justa, já que, acredito, São Paulo tem muito mais atrações a oferecer do que Santa Cruz.

No entanto, é por esta cidade que muitos brasileiros chegarão à Bolívia indo de avião, de forma que, em alguns casos, a conexão pela cidade pode ser mais extensa do que o desejado, obrigando o visitante a se hospedar pelo menos uma noite por lá. E, como no mundo do turismo "nada se perde, tudo se aproveita" é importante saber o que se tem para fazer na cidade. 

Santa Cruz de la Sierra

No nosso caso, chegamos a Santa Cruz de la Sierra vindos de Tarija de avião e precisamos pernoitar por lá, para pegar nosso voo para o Brasil no dia seguinte. 

Logo percebemos que a grande maioria das atrações da cidade se concentra no seu centro, em torno da Plaza 24 de Septiembre. E, assim, escolhemos um hotel que se localizasse nos seus arredores. São várias as opções de hospedagem nesta área.

E é exatamente a Plaza 24 de Septiembre, o coração de Santa Cruz de la Sierra. Arborizada, limpa e bem cuidada, a praça recebe um fluxo constante de pedestres ao longo do dia, havendo muito mais habitantes da cidade do que turistas entre eles.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

O que fazer em Tarija, na Bolívia

Você já ouviu falar em Tarija? Localizada no sul da Bolívia, bem próximo à fronteira com a Argentina, esta é uma cidade fora dos circuitos turísticos. Afinal, quando se fala em turismo em solo boliviano, três são os lugares que se destacam: La Paz, Copacabana e Uyuni.

Isto não significa que Tarija não tenha seus atrativos. Localizada em uma região nitidamente mais rica do país, a cidade, provavelmente, vai te surpreender. Completamente diferente de La Paz e bem mais desenvolvida que Copacabana ou Uyuni, Tarija reflete muito bem a desigualdade social existente na Bolívia. Lá, você verá mansões, carros caros, restaurantes mais sofisticados, ruas mais organizadas e limpas e pessoas, nitidamente, mais ricas.

Tarija

Além disso, a cidade é famosa por suas vinícolas, se concentrando, nos seus arredores, a produção de vinho boliviano. Desta forma, se você estiver passando por lá e for amante de vinhos, fazer um passeio pelas vinícolas será uma excelente programação. Não indicaremos nenhuma, já que não bebemos e, portanto, não nos interessamos por este passeio.

Como é o tour às Lagunas Altiplânicas do Atacama

Localizadas no chamado Altiplano Chileno, a mais de 4 mil metros acima do nível do solo, estão duas das  mais belas atrações naturais da região do Deserto do Atacama: as Lagunas Miscanti e Miñiques. Devido à proximidade entre as duas, a visita ocorre de forma conjunta. Na verdade, as duas já foram o mesmo lago, que foi dividido ao meio pela lava do Vulcão Miñiques.

A beleza das lagunas decorre da bela cor azul das suas águas, emoldurada por montanhas (entre eles o vulcão acima citado) e por uma vegetação rasteira por onde alguns habitantes da fauna local costumam aparecer, como os simpáticos guanacos  que tivemos a sorte de ver às margens da Laguna Miscanti.

Laguna Miscanti


E se o vento não estiver forte no dia da sua visita, a água dos lagos se tornam verdadeiros espelhos, refletindo as montanhas e o céu. E tornando a paisagem ainda mais espetacular.

O tour até as duas lagunas costuma ser associado à visita a outras atrações da região para "aproveitar a viagem". Estas outras atrações costumam variar de acordo com a agência contratada, de forma que é importante checar bem o itinerário para escolher o tour que mais se adequar às suas preferências.

No nosso caso, fizemos questão de fazer um passeio que incluísse também a surreal Piedras Rojas. Após ver imagens do local na internet, não tive a menor dúvida de colocar o lugar como prioridade absoluta na nossa viagem. E esta decisão se mostrou certeira, já que Piedras Rojas foi o lugar mais bonito que conhecemos durante a nossa passagem pelo Atacama.

Piedras Rojas

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Como é o Tour Astronômico no Deserto do Atacama

O céu do Deserto do Atacama é famoso pela incrível visibilidade das estrelas que se tem a partir dele. Afinal, dificilmente você verá o céu nublado por lá. E esta característica fez com que a região se tornasse base estratégica de estudos e pesquisa astronômica. E não há apenas observatórios chilenos por lá. Vários países do mundo montaram base no deserto para aprender mais sobre as estrelas, constelações, planetas e galáxias.

Há, inclusive, um importante projeto internacional, conhecido como ALMA Observatory, que inclui vários países do mundo, inclusive o Brasil, e que promete importantes avanços do campo da astronomia. 

E, obviamente, o mercado do turismo não iria deixar esta característica passar em branco, de modo que o chamado Tour Astronômico vem se tornando cada vez mais popular entre os turistas. Afinal, se já é maravilhoso contemplar aquele belíssimo céu estrelado durante as noites do Atacama, imagina fazer isso com explicações de quem entende do assunto e ainda com a possibilidade de usar um telescópio!

E este é exatamente o objetivo deste passeio: primeiro, é feita uma explanação sobre as constelações e a nossa Via Láctea, enquanto, a olho nu, o astrônomo vai nos mostrando as surpresas do céu. Tudo isso, entremeado por histórias de como os povos andinos da antiguidade incorporavam as estrelas na sua própria cultura. Eles era verdadeiros astrônomos que, inclusive, deram nomes diferentes às constelações que conhecemos hoje.

Depois, é hora de vermos alguns pontos específicos do céu usando o telescópio, como Saturno e seus anéis e a superfície de lua. Confesso que foi emocionante ver a lua (que, naquela noite estava em fase crescente) tão "de perto".

Foto com a Via Láctea, durante o Tour Astronômico no Atacama

domingo, 29 de julho de 2018

Passeando por San Pedro do Atacama e conhecendo o Valle de la Luna

Nosso primeiro dia no Deserto do Atacama começou em torno das 11h da manhã, após chegar no nosso hotel vindos do aeroporto de Calama. Como àquela hora não dava mais para pegar nenhum tour com saída pela manhã, resolvemos caminhar pelo pequeno vilarejo de San Pedro e encontrar uma agência para fechar os passeios que faríamos pelo deserto.

O que fazer em San Pedro do Atacama?


A principal cidade que serve de base para os tours no deserto mais alto e árido do mundo é bem pequena e rústica, suas ruas são ainda de terra e tudo por lá se move em torno do turismo que, sem dúvida, corresponde à maior fonte de renda do lugar. 

E, na verdade, não há muito o que se fazer no povoado, exceto comer e agendar os tours. A principal rua do lugar é a Caracoles. É nela que se concentram os restaurantes, que, por sinal, mantêm o padrão chileno de ótima gastronomia. Nem todos estão abertos durante o almoço, já que a maior parte dos turistas estão fazendo algum passeio, mas, à noite, a Rua Caracoles encontra-se bem viva, com todos os seus restaurantes abertos.

No início da Rua Caracoles, em San Pedro do Atacama