Menu

domingo, 13 de janeiro de 2019

Passeio noturno em Florença

No nosso primeiro dia em Florença, fomos à Piazzale Michelangelo para apreciar a vista da cidade e visitamos as Gallerias Uffizi e della Accademia. Entre uma atração e outa, enquanto caminhávamos pelas ruas da cidade, fomos nos sentindo cada vez mais incomodados com a multidão de turistas. 

O fato das principais atrações se concentrarem muito próximas umas das outras dentro do centro histórico de Florença, certamente, contribui para uma grande concentração de visitantes nas  estreitas ruas da cidade. As principais praças ficam lotadas. As filas dos museus são assustadores. E tudo isso só se agrava durante o verão europeu.

E foi caminhando de um museu a outro que Técio teve a excelente ideia de deixar para conhecer alguns lugares à noite, na esperança de encontrarmos ruas menos lotadas. Assim, após a visita à Galleria della Accademia, resolvemos voltar ao nosso hotel para descansar um pouco e, assim, aproveitar melhor fazendo um passeio noturno pela cidade.

E a decisão não poderia ter sido melhor. Obviamente, a cidade não fica vazia à noite, mas cai bastante o número de turistas, já que não há mais as excursões promovidas pelas agências locais. Soma-se a isso o fato da temperatura ser muito mais agradável no período noturno durante o verão e a beleza da iluminação noturna da cidade, principalmente, nas margens do rio Arno.

Florença fica ainda mais encantadora à noite, especialmente às margens do Rio Arno, que reflete a bonita iluminação da cidade.

sábado, 5 de janeiro de 2019

Os museus de Florença: Galleria degli Uffizi e Galleria della Accademia

As palavras arte e Florença andam quase de mãos juntas de tão importante que a cidade italiana foi (e é) para a história da arte. Tendo albergado famosos artistas, como Michelangelo e Botticelli, não é de se estranhar que os museus da cidade estão entre as principais atividades turísticas da capital da Toscana.

E, embora sejam muitos os museus da cidade, dois se destacam por abrigar as principais obras de arte: a Galleria degli Uffizi e a Galleria della Academia. Esta última é famosa por expor aos visitantes uma das obras de arte mais famosas do mundo: o Davi de Michelangelo. No entanto, é um museu pequeno e que não vai tomar muito do seu tempo.

O Davi de Michelangelo, na Galleria della Accademia

Já a Galleria degli Uffizi é bem maior e com muito mais obras de arte expostas, sendo composta por várias salas com pinturas renascentistas de Botticelli, Rafael, Caravaggio, Ticiano, da Vinci, entre outros. Portanto, um maior tempo deverá ser dedicado a este museu.

No nosso caso, tivemos que conhecer os dois museus no domingo em que chegamos a Florença, uma vez que, às segundas, ambos estão fechados. Dividimos, assim, a nossa tarde entre os dois, dedicando muito mais tempo à Galleria degli Uffizi.

domingo, 30 de dezembro de 2018

Piazzale Michelangelo: a melhor vista de Florença

Um dos pontos turísticos que tem se tornado bastante popular entre os turistas que visitam Florença é a Piazzale Michelangelo, uma praça de frente para o rio Arno que funciona como um mirante com vista para a cidade.

Florença vista da Piazzale Michelangelo (a Ponte Vecchio se destaca sobre o rio Arno)


A praça se localiza no lado sul do Arno em uma das partes mais elevadas de Florença, o que contribui para a visão privilegiada que se tem de lá, especialmente, do centro da cidade, da imponente cúpula da catedral e das pontes que atravessam o Arno, destacando-se a bela Ponte Vecchio.

A cúpula da Catedral de Santa Maria del Fiori se destaca no centro de Florença

A imponente torre do Palazzo Vecchio também se destaca na vista panorâmica da cidade

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Cinco perguntas sobre Florença

Firenze (para os italianos) ou Florença (para nós, brasileiros) é não apenas a capital de uma das regiões italianas mais cobiçadas, a Toscana, como também o berço do renascimento e uma das cidades mais importantes do mundo para a história da arte.

Em cada esquina, em cada prédio histórico, em cada museu, Florença exala arte, transportando o turista para uma época em que Michelangelo poderia ser visto por suas ruas após um dia de trabalho esculpindo Davi ou em que Botticelli poderia ser surpreendido às margens do Arno, refletindo sobre as cores do Nascimento de Vênus.

Aliás, não tem como não se perguntar o que exatamente tem na água de Florença que atraiu tantos gênios da humanidade. Não apenas os pintores citados acima, mas também Dante Alighieri, que revolucionou a escrita, e Galileu Galilei, que mudou os rumos da ciência. 

Fazer turismo por Firenze é percorrer a memória deixada por todos estes grandes gênios.


A inspiradora Florença

Mas para quem quer conhecer a cidade, é preciso, antes, reunir algumas informações práticas que podem ajudá-lo no roteiro:

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Uma rápida passagem por Siena

Capital da província de mesmo nome, Siena é um dos principais centros urbanos da Toscana, especialmente, pelo seu valor histórico e arquitetônico. No entanto, não havíamos colocado a cidade no nosso roteiro, uma vez que não teríamos tempo de conhecê-la com calma.

Entretanto, estávamos voltando do passeio pelo Val d´Orcia rumo ao nosso hotel em San Gimignano e, como passaríamos bem perto de Siena e ainda havia luz do sol (benefícios de se viajar para a Europa no verão), nos perguntamos: por que não fazer uma parada em Siena para jantar?

E, tomando a decisão rapidamente, resolvemos entrar na cidade. 

Chegando a Siena


Olhando o mapa, no sistema de navegação, encontramos um local para estacionar o carro em torno da praça Giardini la Lizza. O local tem parquímetro, mas como já era oito horas da noite, não foi preciso pagar.

Da praça, seguimos, então, para o centro histórico rumo a uma das mais famosas atrações turísticas de Siena, a Piazza del Campo. Fomos caminhando pela Via dei Montanini e, neste primeiro contato, já atingidos pela beleza da cidade, já nos sentíamos arrependidos de não ter incluído Siena no roteiro.

Roteiro de carro pelo Val D´Orcia, na Toscana

Sabe quando você digita "Toscana" no google e aparecem aquelas imagens cinematográficas que fazem dez em cada dez viajantes suspirarem enquanto sonham em viajar para a Itália? Pois boa parte destas imagens clássicas da região pertencem ao chamado Val d´Orcia, pedaço da Toscana que se estende ao sul de Siena.

Portanto, se você quiser se deslumbrar ainda mais em um passeio por esta região italiana, não deve deixar de fora o Val d´Orcia, repleto de colinas verdejantes adornadas pelos típicos ciprestes e salpicadas por pequenos e charmosos vilarejos. Entre estes, Montalcino, famoso pelo vinho lá produzid,o e a encantadora Pienza.

Val d´Orcia visto da cidade de Pienza


Como estas cidades são pequenas e desprovidas de estações ferroviária, conhecê-las de carro acaba sendo a melhor opção. Até porque, assim, você conseguirá aproveitar melhor as belas estradas, além de otimizar o seu tempo. Como cidade base, você pode escolher Siena. No nosso caso, estávamos hospedados em San Gimignano e foi de lá que partimos com nosso carro rumo ao Val d´Orcia.

Nossa maior dificuldade, no entanto, foi escolher onde parar durante nosso trajeto. 

Para os amantes de vinho, Montalcino não pode ficar de fora do roteiro. Afinal, é de lá que vem o famoso Brunello e o que não falta na cidade são lojas especializadas na bebida. Embora nem eu nem Técio tome vinho, visitamos a cidade mesmo assim, já que a sua beleza também é um convite aos viajantes.

Pienza, por estar localizada mais distante, nem entraria, inicialmente, no nosso roteiro, mas uma amiga acabara de voltar da região e fez tanta propaganda sobre esta cidade que acabamos a incluindo. Resultado: foi a nossa preferida de toda a Toscana.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

A nossa visita a San Gimignano

Das pequenas cidades medievais da Toscana que costumam ser visitadas com um bate-e-volta a partir de centros maiores, como Florença e Siena, San Gimignano é, talvez, a mais famosa e mais procurada pelos turistas. Não iria ficar, portanto, de fora do nosso roteiro pela região.

Localizada no topo de uma colina, na província de Siena, a pequena comuna italiana chama a atenção pela preservação da sua estrutura medieval, com destaque para a muralha que, até hoje, a contorna e suas torres que, no passado, foram construídas pelas ricas famílias da cidade como símbolo do seu poder (das 72 originais, apenas 13 permanecem de pé, atualmente).

E, diferente de outras pequenas cidades medievais da Toscana que visitamos, como Volterra e Pienza, San Gimignano não possui uma parte moderna em seu arredores, o que aumenta mais ainda a sensação de viagem ao passado. O que encontramos mesmo, em seu entorno, são as videiras, as fazendas e o verde vale, o Val d´Elsa, que se estende a perder de vista. Talvez, este seja o diferencial que fez com que a comuna se tornasse mais famosa do que as demais.

A bela San Gimignano

Abaixo, listamos algumas dicas preciosas para aqueles que pretendem visitar a cidade murada: