Menu

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Como montar um roteiro de viagem

Obviamente, a montagem de um roteiro de viagem é algo bastante relativo, uma vez que depende das particularidades e gostos de cada um. Algumas pessoas, por exemplo, como eu, adoram se deslocar entre cidades diferentes em uma única viagem, enquanto outras preferem se concentrar em uma só cidade por vários dias. Aliás, enquanto, para mim, 3 dias são suficientes em Buenos Aires, para outros esse período pode ser muito curto.

Outra questão a ser levada em conta é sua disposição para enfrentar diferentes tipos de transporte. Você pode enjoar ônibus e/ou barco e nem sequer considerar essas possibilidades de transportes. Outra pessoa pode preferir seguir para Machu Picchu de trilha do que de trem, enquanto outros podem não abrir mão do conforto durante seus deslocamentos.

Portanto, antes de montar seu roteiro, você tem que se perguntar: "que tipo de viajante eu sou?"

Tendo isso em mente, você pode seguir os seguintes passos na confecção do seu roteiro:

Passo 1 - determinar qual(is) cidade(s) quer visitar e quanto tempo irá permanecer em cada uma delas

Não adianta fechar reservas em hotéis ou comprar passagens de trens se você ainda não souber quanto tempo pretende ficar em cada cidade. E ainda mais importante: se os deslocamentos entre as cidades que você pretende visitar são viáveis.

Por exemplo: vamos supor que você tenha comprado uma passagem de ida e volta para Paris e tenha, ao todo, 12 dias na Europa. Você pode escolher ficar 5 dias na Cidade Luz, depois mais 2 em Bruxelas e, por fim, mais 4 dias em Londres, voltando no penúltimo dia para pegar o voo de volta em Paris. Este seria um roteiro extremamente viável, uma vez que há trem interligando as 3 cidades. Mas consideremos a hipótese de que você, na verdade, quer aproveitar a passagem pela Europa para conhecer Copenhague. Logo você vai descobrir que a ida de trem seria quase impossível. E, talvez, não haja nenhum voo disponível dentro do seu orçamento. O roteiro desejado seria, então, inviável.

Portanto, você não só pode como deve imaginar o roteiro que quiser, mas não se esqueça de pesquisar, antes, a viabilidade desse roteiro, pesquisando no vasto material sobre turismo que existe, atualmente, na internet. Ou seja, leia bastante sobre os destinos pretendidos. Aliás, ler bastante é essencial para quem quer montar os próprios roteiros.

Passo 2 - definir os meios de transporte entre as diferentes cidades (se for o caso)

Uma vez tendo definido as cidades que quer e poderá conhecer e estabelecido uma sequência lógica entre elas, você deverá determinar o tipo e horário dos transportes que utilizará para os deslocamentos, baseando-se, claro, na disponibilidade e no seu orçamento. E lembre-se de que, em algumas regiões, pode haver mais de um tipo de transporte disponível, com custos e tempo de trajeto bem diferentes um do outro. Escolha aquele que se adequar melhor ao seu tempo pretendido em cada lugar e, obviamente, ao seu bolso.

Por exemplo: você já sabe que há trem entre Paris e Bruxelas. Mas não custa nada pesquisar as opções de ônibus existentes entre as duas cidades. Vai que você encontra um ônibus que faz o trajeto no mesmo período de tempo, em um horário mais adequado à sua programação e com um preço mais acessível.

Obviamente, se você for permanecer a viagem toda em uma única cidade, você pode passar diretamente para o passo seguinte.

Passo 3 - escolher e reservar os hotéis ou hostels

Já sabendo quantas noites exatas você passará em cada cidade e quais os horários que partirá e chegará a cada uma delas, você poderá, agora, pesquisar a hospedagem, o que, atualmente, pode ser feito, facilmente, através da internet. Não se esqueça de pesquisar bastante, sempre apostando no custo-benefício e não se esquecendo que um hotel bem localizado pode evitar muita dor de cabeça.

Passo 4 - traçar um roteiro entre as principais atrações de cada cidade

Agora é o momento de ler mais um pouco sobre cada cidade escolhida para, assim, determinar quais os pontos que mais te interessam em cada local. O ideal é dividir o passeio por regiões, agrupando atrações próximas umas das outras, e economizando, assim, tempo e dinheiro nos deslocamentos (nesta etapa, a visualização de um mapa da cidade ajuda bastante). E tenha em mente que, dificilmente, você conhecerá tudo, a não ser que queira passar a viagem toda correndo. Portanto, estabeleça prioridades e deixe sempre um ou outro ponto de interesse como opção para o caso de sobrar tempo ou se, por algum imprevisto, não houver a possibilidade de visitar algum outro local pretendido.

Para algumas atrações específicas, existirá a possibilidade de compra online do ingresso. Por um lado, essa prática costuma evitar grandes filas que podem se formar nas bilheterias.  Por outro, deixa o seu dia engessado, uma vez que te obriga a estar naquele local exatamente na hora agendada no momento da compra. Portanto, pese sempre se vale ou não à pena.

Passo 5 - calcule quanto dinheiro você pretende gastar

Já reservou passagens e hotéis e já sabe que atrações quer visitar e quanto elas custam? Agora é só somar tudo, acrescentando o que você pretende gastar com alimentação e com compras em geral, e você terá uma ideia de quanto precisará levar na viagem. Obviamente, esta etapa varia bastante de acordo com as necessidade individuais. Há quem não abra mão de algumas compras (especialmente aqueles que vão aos EUA) e há quem não se importe em transformar uma das refeições diárias em sanduíche. Suas necessidades que irão determinar quanto dinheiro levar e gastar.

Por fim, você pode, claramente, evitar todos esses passos e entregar o roteiro na mão de um agente de viagens ou comprar algum pacote já pronto. Mas saiba que, nesse caso, o seu gasto será, inevitavelmente, maior, além de ficar completamente refém dos horários determinados pelos tours. Portanto, se você tiver paciência tente montar o seu próprio roteiro. Se não tiver, tente viajar com algum familiar ou amigo que tenha. 

Claro que esses passos correspondem a minha forma de montar o roteiro. Você pode fazer de outra maneira que se adeque melhor as suas particularidades. No final, o que importa mesmo é viajar, seja com um roteiro feito por conta própria, seja por um pacote turístico fechado, seja sem roteiro ou programação alguma (só não me chame se esta última for sua opção. Não consigo mesmo!!!!).





2 comentários:

  1. Com certeza, vai me ajudar muito nas minhas viagens futuras! Obrigado! :)

    ResponderExcluir