Menu

domingo, 6 de setembro de 2020

O que ver e fazer em Segóvia

Após nossa primeira visita a Madrid, ao chegar ao Brasil, uma amiga espanhola que morava aqui logo nos perguntou se havíamos ido a Segóvia e, diante da nossa negativa, foi logo dizendo que era uma das cidades mais bonitas da Espanha e se destacava especialmente pelo seu imponente e secular aqueduto romano. E o melhor: bem pertinho da capital espanhola.

Óbvio que corremos para a internet para pesquisar sobre a cidade e percebemos que ela, provavelmente, tinha razão. E, assim, bastou Madrid entrar novamente em uma das nossas viagens pela Europa, para Segóvia se tornar uma das certezas imediatas do nosso roteiro.

A encantadora Segóvia

A proximidade da pequena cidade medieval com Madrid, facilita bastante o trajeto até lá, da mesma forma que Toledo, de modo que, atualmente, indico que, se possível, qualquer turista que esteja visitando a capital do país, reserve pelo menos um dia para conhecer Segóvia e outro para conhecer Toledo. E, embora pernoitar em qualquer uma destas cidades fosse o ideal, fazer um bate-e-volta é plenamente possível.

Como chegar a Segóvia?

Segóvia fica a pouco menos de 100Km de Madrid, podendo ser acessada tanto de trem quanto de ônibus. O primeiro, embora faça um trajeto mais rápido, deixa o visitante em uma estação mais afastada, sendo necessário pegar um ônibus que leva cerca de 15 minutos até o centro da cidade. Já o terminal rodoviário fica bem próximo ao centro, sendo possível ir e voltar caminhando. Fator este que nos fez preferir o ônibus ao trem.

Nossa viagem durou cerca de 1h20. Compramos a passagem com antecedência pela internet para garantir nossos lugares, mas acredito que seja possível comprar no dia. O ônibus, da empresa Avanza, parte da estação Moncloa. Para chegar nela, basta pegar a linha 3 do metrô e descer na última parada.

Do terminal rodoviário de Segóvia, são poucos mais de 500 metros de caminhada até o monumento mais emblemático da cidade, o seu aqueduto, por onde, possivelmente, a maioria dos visitantes começará seu passeio.

Seguindo do terminal rodoviário de Segóvia até o Aqueduto. Poucos metros de caminhada



Primeira vista da atração mais famosa de Segóvia: seu aqueduto



O que fazer em Segóvia?


Como toda pequena cidade medieval europeia, caminhar pelas ruas entre os prédios históricos, tomar um café em uma esquina ou fazer uma refeição em um dos restaurantes da praça principal, acaba sendo um programa clássico. Mas Segóvia conta com três atrações principais que, dificilmente, o turista não vai querer conhecer: o Aqueduto, a Catedral e o Alcázar de Segóvia.

O aqueduto romano de Segóvia data do primeiro século e é uma prova ainda de pé da grandiosidade que foi o Império Romano. E quando eu falo "de pé" não estou me referindo a ruínas bem preservadas mas a uma estrutura ainda tão inteira que é difícil acreditar que foi construída há tanto tempo.

O impactante aqueduto de Segóvia

E pensar que foi construído no século I

Neste momento, já não havia dúvidas de que a ida a é Segóvia valera à pena



O aqueduto impressiona pela sua imponência e justifica qualquer esforço para poder viajar até Segóvia. É fascinante se atentar para os detalhes da sua arquitetura e tentar entender como aquelas pedras enormes se encaixam tão perfeitamente uma nas outras para formar os arcos perfeitos da construção.

Uma vez estando de frente para o aqueduto (tendo vindo do terminal rodoviário), você verá, em cada um dos seus lados, uma escadaria que, do alto, permite um outro ponto de vista da estrutura. 

Escadaria da esquerda

Escadaria da direita


A escadaria da sua esquerda se continua com ruas que se aprofundam pelo centro, chegando até a Plaza Mayor, onde se encontra a catedral. Já a escadaria da sua direita nos leva a uma rua que vai seguindo o aqueduto por vários quarteirões, a medida que sua altura vai diminuindo e o centro histórico vai ficando para trás.

Do alto da escadaria da esquerda, também é possível acessar um mirante ao lado do aqueduto

Permitindo uma ótima vista da cidade...

E do próprio aqueduto



Portanto, para otimizar seu tempo, pegue a escadaria da esquerda, tire quantas fotos for possível lá do alto e siga caminhando até a Plaza Mayor para conhecer a Catedral de Segóvia, uma das últimas catedrais espanholas construídas em estilo gótico.

Já avistando a Catedral de Segóvia ao fundo

Catedral da Segóvia



Plaza Mayor de Segóvia



Embora tenhamos conhecido a catedral apenas por fora, era possível entrar pagando 3 euros por pessoa. Ao redor dela, a praça tem o charme de qualquer praça principal europeia, com restaurantes e cafés ao nosso dispor.

Da praça, seguimos caminhando, por cerca de 650 metros, até a terceira principal atração de Segóvia: o seu alcázar. Na Espanha, quando você ler ou ouvir a palavra alcázar, saiba que esta significa palácio. 

Seguindo pelas ruas medievais de Segóvia


O destino era o Alcázar de Segóvia. A caminhada não é longe e o Google Maps no celular nos ajudou

De olho nos detalhes, enquanto caminhávamos



E o palácio de Segóvia tem aquelas características típicas de conto de fadas, lembrando o palácio de algum príncipe encantado ou alguma princesa da Disney. Há quem diga até que Walt Disney o utilizou de inspiração para o Castelo da Cinderela, mas já ouvimos o mesmo sobre o Castelo de Neuschwanstein, na Alemanha. Estou começando a achar que Walt Disney criou o castelo da sua imaginação mesmo!

O Alcázar de Segóvia

Com sua arquitetura bem típica de conto de fadas

Até fosso tem (nós atravessamos uma daquelas portas levadiças para entrar)



De todo modo, a visita ao castelo vale à pena, especialmente pela vista incrível que se tem de Segóvia a partir de uma das suas torres, a Torre de Juan II. Para subi-la é preciso comprar o ingresso por 6 euros, que também dá direito a visitar as salas do palácio e o Museu da Artilharia que funciona no seu interior. Se quiser visitar apenas estes dois últimos, sem incluir a subida à torre, paga-se 3,50 euros.

No alto da Torre de Juan II


Segóvia vista da Torre. Destaque para a imponente catedral da cidade




Entorno do palácio



O Alcázar de Segóvia abre das 10 às 20h (de 1 de abril a 31 de outubro); e das 10 às 18h no restante do ano. Para maiores informações, visitar o site oficial

Saindo do palácio, seguimos um pouco pela antiga muralha da cidade, numa área bem mais isolada e menos movimentada. Após algumas fotos, decidimos retornar a Plaza Mayor e, de lá, seguimos de volta ao Aqueduto. 

Seguindo pela antiga muralha

Esta parte da cidade estava bem pouco movimentada


Mas permite lindas vistas da cidade



De volta ao aqueduto






Como ainda tínhamos tempo sobrando até o horário do nosso ônibus de volta a Madrid, resolvemos seguir o aqueduto no sentido inverso e fomos acompanhado a queda gradual da sua altura, até chegar num ponto já muito distante. Esta parte da cidade não tem grandes atrativos e só fomos até lá por pura curiosidade mesmo.

O aqueduto vai ficando cada vez mais baixo e as casas vão ficando cada vez mais próximas. O morador abre a janela e dá de cara com um monumento secular...

Não fomos até o fim e retornamos à parte principal do aqueduto para, de lá, seguir de volta ao terminal rodoviário



Retornamos a Madrid profundamente apaixonados por Segóvia. Acreditamos até que preferimos a cidade a também fantástica Toledo. Na verdade, não precisa haver competição entre as duas. São dois bate-e-volta espetaculares a partir de Madrid.



Finalizamos este post com esta imagem da linda Catedral de Segóvia




OBS:
1. Este post não recebeu nenhum tipo de patrocínio

Nenhum comentário:

Postar um comentário