Menu

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

De Copacabana, na Bolívia, até Puno, no Peru

Cheguei ao Peru por via terrestre vindo da Bolívia, mais especificamente da cidade de Copacabana, que fica bem próxima à fronteira entre os dois países. A forma escolhida por mim para fazer a travessia e a qual mais recomendo foi através de ônibus turístico (mais confortável e seguro). Fiz a reserva pela internet, ainda no Brasil, na agência Kanoo Tours (minha reserva incluiu um ônibus de La Paz até Copacabana em um dia e desta última até Puno, no Peru, no dia seguinte).

O horário de saída do ônibus estava marcado para as 13h, na Av 16 de Julio. O recomendado é chegar com pelo menos 30 minutos de antecedência. Os funcionários da agência confirmarão seus nomes na lista de passageiros e solicitarão o preenchimento do formulário que deverá ser entregue na imigração para a saída da Bolívia. Todo esse procedimento será feito antes do embarque. Percebi que havia mais outro ônibus no local com o mesmo destino e que também estava lotado. Portanto, sugiro que sua reserva seja feita com antecedência.

Em poucos minutos (cerca de 10 min), o ônibus já chega ao posto de imigração na fronteira. Todos descem do ônibus, entram na fila e esperam seu passaporte receber o carimbo de saída do país. Cada um, então, atravessa a fronteira a pé e, simples assim, já adentra solo peruano. Logo do outro lado da fronteira já se vê um letreiro com o nome do país dando boas vindas aos visitantes. Hora da primeira foto no Peru.

Fronteira entre Bolívia e Peru. Basta caminhar e passar por debaixo do arco e já se estará em solo peruano

Chegando ao Peru


Mas os procedimentos burocráticos não se encerram por aí. É preciso entrar na fila no posto de imigração do lado peruano, para registrar a entrada no Peru. Passaporte carimbado, é hora de voltar ao ônibus (que já se encontra do lado peruano) e seguir viagem. Logo após atravessar a fronteira, é possível encontrar também um local onde se faz o câmbio dos bolivianos pelos soles peruanos, mas, como não há concorrência, fomos orientados a não fazer a troca de moeda ali.

O destino do nosso ônibus era o terminal rodoviário da cidade de Puno. A viagem demorou cerca de 3h, sendo possível ver, durante vários trechos do trajeto, o lago Titicaca (visão possível para quem estiver sentado nas poltronas da direita). O lago é realmente enorme e vai se estendendo pelo Peru como se não tivesse fim. Chegamos, então, ao terminal rodoviário de Puno, onde, na noite daquele mesmo dia, pegaríamos um ônibus local para Cusco. Vale ressaltar que, no Peru, os ônibus locais são mais confortáveis e as estradas são melhores, de modo que não há necessidade de reservar ônibus turístico a partir daqui (a não ser que, para tornar todo o trajeto mais prático, você opte por reservar, com a agência, a viagem direto até Cusco. Mas lembre-se que, nesse caso, você gastará mais). Já havíamos comprado a passagem de Puno até Cusco ainda no Brasil, no website da empresa Cruz del Sur e a saída estava marcada para as 22 horas. Ainda era 17 horas quando chegamos e só nos restava esperar.

Site oficial da Crus del Sur: http://www.cruzdelsur.com.pe/

Para tentar ocupar esse tempo de espera, pesquisei o que poderia ser feito na cidade de Puno e a dica mais lógica seria fazer um passeio até as ilhas flutuantes de Uros. Estas são ilhas artificiais feitas a partir de uma planta aquática da região, chamada totora, construídas, tradicionalmente, pela população indígena local. Fica localizada ainda no Lago Titicaca O passeio já é oferecido e vendido dentro do próprio ônibus durante o trajeto até Puno. Eu havia lido vários relatos de pessoas falando o quanto tudo nessa ilhas parece ser, atualmente, artificial e feito apenas para turista ver. Ao que parece, os "habitantes" dessas ilha, na verdade, estão ali apenas para encantar turistas e vender artesanato a valores altíssimos. Acabamos optando por não fazer este passeio. Um casal de brasileiros que conhecemos durante a viagem resolveu fazer e se arrependeu. Segundo nos informaram, os "habitantes" da ilha passam o tempo todo tentando vender seus produtos de forma insistente, tornando o passeio desagradável. Não posso falar por mim, pois não conheci o lugar, mas fica o alerta.

Durante nosso tempo no terminal de Puno, compramos um pouco de soles, vendidos em lojinhas genéricas de comida, souvenirs e generalidades (não há casa de câmbio no local). Mas deixamos, a maior parte do dinheiro, para comprar em Cusco. No primeiro andar do terminal há uma espécie de pousada, com quartos individuais e banheiros privados. O preço é acessível e não há nenhum luxo (é bem básico, na verdade). Mas para quem tiver muito tempo de espera no terminal, acho que vale a pena. Mas é bom saber que o terminal não é nada silencioso. O tempo todo, há diversos peruanos fazendo propaganda a plenos pulmões dos mais diversos transportes para diferentes cidades.

Às 22 horas, embarcamos com destino a Cusco. O ônibus era confortável, fornecia cobertor e travesseiro e tinha wifi (mas que só funciona enquanto o ônibus está na rodoviária). A grande vantagem foi economizar uma noite de hospedagem, sendo possível dormir durante o trajeto de 6 horas até Cusco. Chegamos às 4 horas da manhã, pegamos o táxi até nosso hotel e ainda tivemos a sorte de conseguir check-in antecipado. 

Era hora de começar a explorar uma das cidades mais visitadas do Peru...

Resumo do nosso trajeto até Cusco:
 1. Ônibus turístico de Copacabana até Puno (inclui procedimentos de imigração na fronteira)
 2. Ônibus local da empresa Cruz del Sur de Puno até Cusco

Para quem estiver com dinheiro sobrando e quiser fazer o trajeto de Puno até Cusco de forma mais sofisticada e ainda apreciando as belezas naturais pelo caminho, existe a opção de fazer a viagem de trem, pertencente a mesma companhia responsável pelo famoso Expresso do Oriente. O trem costuma sair de 8 horas da manhã e chegar em Cusco às 18 horas, mas não está disponível em todos os dias da semana. O ideal é checar valor, datas e horários no site oficial: http://www.perurail.com/es/andean-explorer

Outra opção de fazer a viagem é através de ônibus turístico durante o dia que, embora seja mais caro, oferece paradas em alguns locais que podem ser interessantes para quem quiser conhecer melhor o caminho até Cusco.


Nenhum comentário:

Postar um comentário